Início MG Ex-servidor público é preso por simular regularização de escrituras de imóveis em...

Ex-servidor público é preso por simular regularização de escrituras de imóveis em Araxá

Segundo a Polícia Civil, homem de 56 anos ocupava cargo comissionado na secretaria de Ação Social. Pelo menos nove famílias caíram no golpe e ele teria recebido cerca de R$ 13 mil.

155
0

Um ex-servidor público, de 56 anos, foi preso pela Polícia Civil em Araxá, no Alto Paranaíba, nesta segunda-feira (12). Segundo a Polícia Civil, ele ocupava cargo comissionado na secretaria de Ação Social e simulava a regularização de escrituras de imóveis.

O delegado responsável pelo caso, Cristiano Dib, disse que, pelo menos, nove famílias caíram no golpe. Ele teria recebido cerca de R$ 13 mil.

Por meio de nota, a Procuradoria Geral do Município informou a imprensa que recebeu as informações sobre o caso do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) no fim do ano passado. Foi instaurado um procedimento interno de investigação e o servidor foi suspenso.

A fraude foi apurada e a Prefeitura decidiu exonerar o servidor e fazer a representação no MPMG. Segundo a Prefeitura, nenhum valor é cobrado para expedir termos de doação de imóveis que atendem a programas habitacionais públicos.

O caso

Segundo o delegado, ele prometia às famílias a regularização das escrituras. “À medida em que as pessoas procuravam a secretaria de Ação Social ele captava estas pessoas e oferecia uma prestação de serviço fictícia e recebia estes valores. Porém, nenhum protocolo foi gerado na secretaria”, disse.

Cristiano afirmou que, apesar de o ex-servidor gerar um número de protocolo para as vítimas, o secretário da pasta não chegava a apreciar o trâmite. “Eles justifica que era prestação de serviços, mas na verdade, era um processo que não existia e os protocolos eram indevidos”, afirmou.

Em depoimento, segundo o delegado, o homem tentou justificar as ações. “Ele disse que os valores seriam obtidos por uma prestação de serviço particular. Mas, realmente, confessou que recebeu os valores enquanto atuava como servidor municipal”, concluiu.

O delegado informou ainda que o ex-servidor deverá responder pelos estelionatos cometidos com cada uma das vítimas.