Início Mundo 30 anos da queda do Muro de Berlim: ‘Foi a pior noite...

30 anos da queda do Muro de Berlim: ‘Foi a pior noite da minha vida’, diz último líder da Alemanha Oriental

Ex-dirigente comunista fala sobre sua decepção com a unificação da Alemanha, relembra o que considera uma 'traição' por Gorbachev e declara seu amor pela Rússia.

93
0

Esta é uma das mais estranhas visitas guiadas de que já participei. Estou dirigindo pelas ruas de Berlim com Egon Krenz – o último líder comunista da Alemanha Oriental.

“Esta avenida costumava se chamar ‘avenida Stalin’!”, ele me diz, enquanto descemos a avenida Karl Marx. “Eles a renomearam depois que Stalin morreu.”

“E ali havia a Praça Lenin. Havia uma grande estátua de Lenin. Mas eles a derrubaram.”

Ele olha pela janela e sorri. “A RDA (República Democrática Alemã) construiu isso tudo.”

Krenz, um homem sorridente de 82 anos, está em condições bem melhores do que o país que ele certa vez administrou. A República Democrática Alemã (conhecida no ocidente como Alemanha Oriental) já não existe mais. Trinta anos depois dos tumultuosos acontecimentos de 1989 e da queda do Muro de Berlim, o líder comunista concordou em me encontrar.

Por que Krenz amou a União Soviética

Por causa da pouca fluência em inglês de Krenz e do meu fraco domínio na língua alemã, estamos nos comunicando em russo. É uma linguagem que ele conhece bem. Krenz precisava: a RDA era um estado satélite de Moscou.

A vida na Alemanha Oriental: em outubro de 1989, a estátua de Lenin ainda estava na Praça Lenin, em Berlim Oriental — Foto: Getty Images/BBC

A vida na Alemanha Oriental: em outubro de 1989, a estátua de Lenin ainda estava na Praça Lenin, em Berlim Oriental.

“Eu amo a Rússia e a União Soviética”, ele me diz. “Ainda tenho muitos contatos por lá. A RDA era uma cria da União Soviética. A URSS estava ao lado do berço da RDA. E, infelizmente, também estava ao lado do leito de morte.”

Para a Rússia comunista, a Alemanha Oriental era seu posto avançado na Europa. A União Soviética tinha 800 guarnições militares na RDA e meio milhão de soldados.

“Ocupando o poder ou não, vimos as tropas soviéticas como nossos amigos”, diz Krenz.

Mas, pergunto para ele, qual era o benefício de fazer parte do império soviético?

“Essa frase ‘parte do império soviético’… é uma terminologia tipicamente ocidental”, ele responde. “No Pacto de Varsóvia, nos vimos como parceiros de Moscou. Embora, é claro, a União Soviética tivesse a palavra final.”

Como Krenz chegou ao topo

Nascido em 1937, filho de um alfaiate, Egon Krenz subiu rapidamente os degraus da hierarquia comunista.

“Fui um Jovem Pioneiro. Depois, um membro da Juventude Alemã Livre. Depois, passei a integrar o Partido da Unidade Socialista. Então me tornei chefe do partido. Passei por todas as etapas.”

Durante muitos anos, ele foi visto como o “jovem príncipe” – futuro sucessor do veterano líder da Alemanha Oriental Erich Honecker.

Mas, no momento em que ele substituiu Honecker, em outubro de 1989, o partido dominante já estava perdendo o poder.

Três mil pessoas protestaram contra o líder comunista, em 24 de outubro de 1989 — Foto: Getty Images/BBC

Três mil pessoas protestaram contra o líder comunista, em 24 de outubro de 1989.

Da Polônia à Bulgária, o poder popular começava a varrer o bloco oriental. A Alemanha Oriental não foi exceção.

Onde Krenz falhou

Uma semana antes da queda do Muro de Berlim, Krenz voou para Moscou para negociações urgentes com o líder soviético Mikhail Gorbachev.

“Gorbachev me disse que o povo da União Soviética via os alemães orientais como seus irmãos”, disse ele.

Avaliando em retrospecto sua primeira visita a Moscou como líder comunista, Egon Krenz acredita que foi traído; na foto, com Mikhail Gorbachev, em 1 de novembro de 1989 — Foto: Getty Images/BBC

Avaliando em retrospecto sua primeira visita a Moscou como líder comunista, Egon Krenz acredita que foi traído; na foto, com Mikhail Gorbachev, em 1 de novembro de 1989.

“E disse que, depois dos soviéticos, o povo da RDA era o que ele mais amava. Então, eu perguntei: ‘Você ainda se vê como uma figura paterna para a RDA?’ ‘É claro, Egon”, disse ele. ‘Se você se refere a uma possível reunificação na Alemanha, isso não está na agenda’.”

“Na época, pensei que Gorbachev fosse sincero. Esse foi o meu erro.”

Você acredita que a União Soviética o traiu? Eu pergunto.

“Sim.”

Como a Alemanha Oriental chegou ao fim

Em 9 de novembro de 1989, o Muro de Berlim caiu. Multidões de alemães orientais, em festa, atravessaram a fronteira recém-aberta.

“Foi a pior noite da minha vida”, lembra Krenz. “Eu não gostaria de experimentar isso de novo. Quando os políticos do Ocidente dizem que foi uma celebração do povo, eu entendo isso. Mas assumi toda a responsabilidade. Em um momento tão carregado de emoção, como aquele, se alguém tivesse sido morto naquela noite, poderíamos ter sido tragados para um conflito militar entre grandes potências.”

Moradores de Berlim Oriental escalaram o Muro em 9 de novembro de 1989, derrubando a Cortina de Ferro na Alemanha — Foto: Reuters/BBC

Moradores de Berlim Oriental escalaram o Muro em 9 de novembro de 1989, derrubando a Cortina de Ferro na Alemanha.

Um mês após a queda do muro, Krenz renunciou ao cargo de líder da Alemanha Oriental. No ano seguinte, a Alemanha Oriental e a Ocidental se reuniram. E a RDA foi parar nos livros de história.

Não demorou muito para a própria União Soviética desmoronar. Mas, na Europa Oriental, Mikhail Gorbachev – diferentemente de Egon Krenz – é visto como um herói por permitir que a “cortina de ferro” tenha sido derrubada.

O Muro de Berlim dividiu a cidade por quase 30 anos — Foto: Getty Images/BBC

O Muro de Berlim dividiu a cidade por quase 30 anos.

Falando comigo em 2013, o ex-presidente soviético disse: “Sou acusado com frequência de abrir mão da Europa Central e da Europa Oriental. Mas a quem eu a entreguei? Devolvi a Polônia, por exemplo, aos poloneses. A quem mais ela pertenceria?”

Krenz havia perdido o poder e o seu país.

Em seguida, ele perdeu sua liberdade.

Em 1997, Krenz foi condenado por homicídio culposo de alemães orientais que tentavam fugir atravessando o Muro de Berlim. Ele passou quatro anos na prisão.

‘A Guerra Fria nunca acabou’

Egon Krenz ainda se interessa por política. E ainda apoia Moscou.

“Depois de presidentes fracos como Gorbachev e Yeltsin, é uma grande sorte para a Rússia ter o (presidente Vladimir) Putin”.

Ele insiste que a Guerra Fria nunca terminou, mas que, em vez disso, “agora, está sendo travada com métodos diferentes”.

Hoje, Krenz vive uma vida pacata na costa do Mar Báltico, na Alemanha.

“Ainda recebo muitas cartas e telefonemas de netos dos cidadãos da RDA. Eles dizem que os avós deles adorariam se eu lhes desejasse um feliz aniversário. Às vezes as pessoas se aproximam e me pedem um autógrafo ou para tirar uma selfie. “

Quando saímos do carro no centro de Berlim, um professor de história e seu grupo de alunos vêm até nós. É o dia de sorte deles.

“Estamos em uma viagem escolar, viemos de Hamburgo para estudar a história da RDA”, diz o professor a Krenz. “É incrível tê-lo aqui conosco agora, como testemunha viva. Como foi para você quando o Muro caiu?”

“Não foi um carnaval”, respondeu Krenz. “Foi uma noite muito dramática.”