Home / RJ / Ações solidárias arrecadam alimentos para pessoas carentes no RJ

Ações solidárias arrecadam alimentos para pessoas carentes no RJ

Em meio a pandemia do coronavírus, começa a surgir uma rede de solidariedade para ajudar as pessoas a enfrentar ao isolamento social e a crise econômica.

ONG Viva Rio

Moradores de 12 comunidades estão recebendo cestas básicas. O projeto é uma parceria da ONG Viva Rio e a Academia Pérolas Negras, uma entidade esportiva.

Os recursos para a compra das cestas básicas estão sendo coletados através do site da Viva Rio. Segundo o diretor executivo da ONG, Rubem César, com o dinheiro arrecada, a Viva Rio compra as cestas básicas nos mercados das próprias comunidades, ajudando assim o comércio local.

“Os mercadinhos, onde essas pessoas já costumam comprar, montam as cestas e distribuem. Não há necessidade de arrecadação de alimentos, estocagem e a distribuição é facilitada porque ocorre nas próprias comunidades. É muito fácil e a ajuda chega mais rápido a quem precisa”, disse Rubem Cesar.

As comunidades contempladas pelo projeto no Rio são:

  • Vila Aliança
  • Maré
  • Cidade de Deus
  • Cantagalo

Em Niterói:

  • Fonseca
  • Cantagalo
  • Caramujo
  • Barreto

E no restante do estado:

  • Campos Elíseos (Duque de Caxias)
  • Parque Ipanema (Queimados)
  • Serrinha do Alambari (Resende)

A Viva Rio pede doações no valor de R$ 50, que equivalem a uma cesta básica com alimentos e produtos de higiene.

Até o momento, a Prefeitura do Rio confirmou três mortes por coronavírus em favelas do Rio, sendo duas em Manguinhos, na Zona Norte e uma na Cidade de Deus, na Zona Oeste.

Projeto Quarentena sem fome

A economista Teresa Cosentino, que foi chefe do Departamento de Operações Sociais do BNDES e presidente da Fundação da Infância e da Adolescência, esta distribuindo comidas a moradores sem-teto. Ela montou uma rede com profissionais autônomos que vendiam quentinhas para fazer a distribuição de marmitas, na Tijuca, na Zona Norte.

Teresa cadastrou autônomos interessados, que começaram a distribuir as marmitas na quarta-feira (25), para pessoas que vivem nas calçadas na Praça Saens Peña e na Rua Afonso Pena.

Nesta sexta-feira (27), a distribuição de comida vai começar na Zona Oeste. O projeto está previsto para começar também em São Gonçalo, na Região Metropolitana, a partir de segunda-feira (30).

“Fiquei sensibilizada com a perda financeira dos profissionais autônomos e com a redução das doações para pessoas em situação de rua. E pensei em unir as duas coisas numa só ação, postei a ideia nas redes sociais e em três dias arrecadei R$ 10 mil, que estão sendo usados para pagar a comida”, disse Teresa.

Isso passou a gerar renda para os autônomos, ao mesmo tempo que alimenta quem está nas ruas. O próprio fornecedor da quentinha é o responsável por sua distribuição.

Agora, Teresa busca parcerias e destaca a importância das doações contínuas para que o projeto não pare.

A manicure Silvana das Virgens e o marido Roni Santos, motorista de aplicativo entraram no projeto Quarentena sem fome. Ele criaram um cardápio, entraram em contato co Teresa, e na quarta-feira (25) produziram 30 marmitas. Na quinta-feira (26), com o dinheiro recebido aumentaram a produção em mais dez quentinhas distribuídas a moradores sem-teto.

Luiz Cláudio Serpa, que já trabalhava fornecendo quentinhas, também entrou no projeto, em Jardim Sulacap, na Zona Oeste. A partir deste sexta-feira (27), ele começa a distribuição também em Marechal Hermes, na Zona Norte. Com o dinheiro que recebe pelas quentinhas, vai conseguir arcar com as despesas em casa. Sua renda caiu bastante desde que sua cliente passou a ficar mais reclusa, em casa.

Quem quiser participar do projeto pode entrar em contato com os organizadores pelo Facebook.

Ação da Cidadania

A Ação da Cidadania também está recebendo doações para aquisição de cestas básicas para populações carentes.

O comitê recebeu 40 toneladas de alimentos, doadas por empresas e pessoas, que estão sendo distribuídos a quatro mil famílias de comunidades pobres do Rio e da Baixada Fluminense.

As doações podem ser feitas através do site da Ação da Cidadania.

Cufa

A Central Única das Favelas (Cufa) também está arrecadando doações de alimento e higiene para os moradores de comunidades do Rio.

Com o objetivo de evitar contato entre as pessoas, as doações devem ser feitas em dinheiro por meio de contas bancárias e/ou uma vaquinha online. Com o valor arrecadado serão comprados itens como:

  • Alimentos não perecíveis;
  • Sabão em pó;
  • Sabonete líquido;
  • Detergente;
  • Desinfetante
  • Água sanitária;
  • Papel higiênico;
  • Toalha de papel descartável;
  • Escovas de dente e pasta de dente.

Para aqueles que puderem contribuir, os dados para depósitos nas contas bancárias são:

Central Única das Favelas do Rio de Janeiro – CNPJ: 06.052.228/0001-01

Bradesco – 237

  • Agência: 0087
  • C/C: 3582-3

Itaú – 341

  • Agência: 0402
  • C/C: 17369-4

Já a doação pela vaquinha online é feita pelo link Ajude a CUFA a ampliar seu combate ao Coronavírus.

Veja Também

Laudo da perícia sobre projétil que matou o menino João Pedro é inconclusivo

A perícia realizada no projétil que matou o menino João Pedro Mattos Pinto, de 14 …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *