Home / MG / Casal é preso em Araxá durante Operação ‘Midas’ da Polícia Civil

Casal é preso em Araxá durante Operação ‘Midas’ da Polícia Civil

A Polícia Civil desencadeou, nesta terça-feira (4), a segunda etapa da Operação “Midas”, quando foram cumpridos dois mandados de prisão em Araxá.

De acordo com os investigadores, o alvo foi um casal, que não teve idade divulgada. Ainda segundo a polícia, eles são suspeitos de integrar uma quadrilha especializada em furtos a joalherias.

A operação foi uma força tarefa das policiais de Minas Gerais e do Estado de São Paulo. Ainda segundo a polícia, o suspeito preso em Araxá é apontado como principal chefe da organização criminosa.

Os policiais chegaram à casa dos investigados ainda no início da manhã, onde também foram apreendidos um carro e celulares. O delegado Conrado Costa da Silva comentou sobre a forma como a quadrilha age.

“Eles fazem um buraco na parede, arrombam o estabelecimento, levam pedras preciosas e ouro. São especializados nesse tipo de crime e tem pessoas envolvidas que, inclusive, já foram presas diversas vezes pela mesma situação”, disse.

Além das prisões em Minas Gerais, outras duas pessoas foram detida em Presidente Prudente (SP).

A ação mais recente dessa organização criminosa, segundo Polícia Civil foi em março, quando eles furtaram uma joalheria em Dracena, também no interior de São Paulo. Prejuízo é estimado em mais de R$ 5 milhões.

O casal preso em Araxá foi encaminhado para o presídio da cidade, mas segundo o delegado, os suspeitos serão transferidos para o presídio de Dracena, onde serão ouvidas e indiciadas por furto qualificado e associação criminosa.

Em seguida, serão encaminhadas para unidades prisionais da região de Presidente Prudente, onde ficarão à disposição da Justiça.

As investigações vão continuar para que outras pessoas envolvidas também sejam identificadas.

Operação Midas

A primeira etapa da Operação “Midas” foi realizada contra suspeitos de integrarem uma associação criminosa especializada que praticou um furto em uma relojoaria, em Dracena.

A investigação, segundo a polícia, contou com técnicas de inteligência e compartilhamento de informações e durou cerca de quatro meses. Foram identificadas seis pessoas, sendo quatro homens e duas mulheres, suspeitas de integrarem a quadrilha que realiza furtos no Estado – entre eles, o crime ocorrido em Dracena.

As joias foram apreendidas na cidade de Jaú (SP) e restituídas à vítima dias após a prática criminosa, sendo preso na ocasião um receptador.

Veja Também

Veículos funerários com vítimas de batida que deixou 12 mortos na BR-365 se envolvem em acidentes

Três veículos de funerárias, que transportavam corpos de vítimas do acidente na BR-365, que resultou em …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *