Home / ES / Polícia prende suspeito de vender dinheiro falso pela internet, no ES

Polícia prende suspeito de vender dinheiro falso pela internet, no ES

Um homem de 29 anos foi preso, na sexta-feira (26), em Cariacica, no Espírito Santo, suspeito de vender notas falsas pela internet. À polícia, ele contou que o dinheiro falsificado chegava pelos Correios.

As investigações começaram depois que a polícia recebeu uma denúncia anônima, que relatava o oferecimento das notas através do aplicativo WhatsApp.

Em vídeos, os “vendedores” narravam que as notas eram de excelente qualidade e que a falsificação não seria descoberta nem mesmo com o uso de luz negra ou de caneta específica.

Após as investigações, o homem foi localizado e com ele foram encontradas sete notas de R$ 100.

“Em depoimento, ele confessou serem notas falsas e ainda afirmou que o produto falsificado chegava até ele pelos Correios”, informou a delegada Rhaiana Bremenkamp.

O suspeito foi autuado pelo crime de moeda falsa e encaminhado ao Centro de Triagem de Viana (CTV).

A delegada orientou que quem receber dinheiro em papel deve checar os itens de segurança presentes nas notas.

“É importante verificar cada uma das notas, individualmente, observando detalhes como textura do papel, qualidade da impressão e, principalmente, a marca d’água, que pode ser observada colocando a cédula contra a luz”, explicou a delegada.

Outros casos

No dia 15 de abril, duas mulheres foram presas no município da Serra, recebendo dinheiro falso pelos Correios. A primeira delas recebeu 10 notas falsas de R$ 100 dentro de uma encomenda.

A segunda recebeu a mesma quantidade, porém pediu que uma terceira pessoa buscasse a encomenda em uma agência.

Em maio, um homem foi preso em Cachoeiro de Itapemirim, no sul do estado, no momento em que recebia uma correspondência contendo 200 cédulas falsas de R$ 20. Na casa dele, foram encontradas munições calibre .32.

Veja Também

Dono de ferro-velho encontra granada no meio de sucata e aciona a polícia no ES

Uma granada foi recolhida pelo esquadrão antibombas da Companhia Independente de Missões Especiais (Cimesp) da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *