Home / RJ / Rio reabre parte do comércio nesta sexta-feira

Rio reabre parte do comércio nesta sexta-feira

A cidade do Rio permitiu a reabertura de mais uma parte do comércio a partir desta sexta-feira (27). Alguns estabelecimentos já eram exceção e estavam autorizados a permanecer abertos.

Confira abaixo o comércio liberado para funcionar (em negrito, seguem as lojas que passam a integrar a lista nesta sexta):

  • lojas de conveniência;
  • de material de construção;
  • mercearias;
  • aviários;
  • depósitos;
  • comércio de insumos agrícolas;
  • comércio de gás liquefeito de petróleo;
  • mercados;
  • hortifrutis;
  • padarias e confeitarias;
  • açougues;
  • peixarias;
  • distribuidoras;
  • transportadoras;
  • postos de combustível;
  • lojas de medicamentos veterinários, alimentos e produtos de uso animal.

A reabertura foi autorizada em decreto pelo prefeito Marcelo Crivella (Republicanos). A intenção, diz ele, é permitir que clientes comprem produtos básicos de higiene nas conveniências. E, de outro lado, fomentar a economia da indústria.

“Esse pessoal da indústria da Construção Civil precisa continuar trabalhando, a economia girando”, disse na quinta (26).

Em outro decreto, o governador Wilson Witzel também estendeu a lojas de materiais de construção de todo o RJ o direito de abrir.

As restrições para os outros estabelecimentos continuam.

Também na quinta-feira, Crivella repetiu o apelo para que as pessoas fiquem em casa.

“Os próximos 15 dias têm que ser de absoluto, sagrado, religioso isolamento. É o que tenho ouvido de professores, infectologistas, minha secretária de saúde, diretores de hospital. Os próximos 15 dias é todo mundo em casa”.

Reabertura gradual

Ao prestigiar o primeiro dia de trabalho das Forças Armadas desinfectando o transporte público, o prefeito também detalhou os planos para a reabertura gradual do comércio.

Ele disse que, desde o primeiro caso de coronavírus registrado na cidade, o número foi se multiplicando por dez diariamente. Ao fechar o comércio, o crescimento da curva foi achatando.

“Por isso, disse ontem: já começamos a avistar uma luz ao fim do túnel e achamos que em uma quinzena poderemos voltar aos poucos as atividades”.

Especialistas criticam

A possibilidade de se afrouxarem ainda mais as medidas restritivas é criticada por especialistas de saúde.

Roberto Medronho, epidemiologista da UFRJ, alerta que suspendê-las agora “será pior”. “Porque teremos mais à frente uma epidemia com mais mortes e também uma crise econômica”, disse.

“Reconhecemos o impacto econômico que isso traz, mas agora temos que salvar vidas. Precisamos que os governantes, em especial o governo federal, invistam em medidas para mitigar o efeito econômico, especialmente nas classes menos favorecidas”, emendou.

Veja Também

Laudo da perícia sobre projétil que matou o menino João Pedro é inconclusivo

A perícia realizada no projétil que matou o menino João Pedro Mattos Pinto, de 14 …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *